Quem foi Policarpo?

Nascido no primeiro século e morto no segundo, podemos aprender muito com esse homem de Deus que viveu na geração depois de Jesus.

Policarpo era um bispo (pastor) de Esmirna, uma cidade grega na costa. Muitos dizem que ele foi discipulado pelo apóstolo João, um dos 12 que mais seguiram Jesus.

Policarpo viveu em uma época em que Roma não estava procurando ativamente cristãos para matá-los. Mas se um cristão fosse acusado de traição ou desunião, ele poderia ser levado aos tribunais e punido.

O mundo do primeiro século

Por que eles foram punidos e mortos? Isso é uma simplificação, mas os cristãos, acreditando que Deus era o único Deus verdadeiro, recusaram-se a adorar o imperador romano como um deus por lealdade a Jesus, que morreu por eles.

Quem foi Policarpo?

Eles não queriam queimar incenso para um mero homem ou chamá-lo de filho de deus, uma frase comum usada para o imperador, como muitos (e ele mesmo costumava dizer) que seu governo e autoridade vinham do próprio Deus.

Em um sistema político que quer manter a unidade e reprimir as revoltas, podemos ver como elas eram vistas. Os cristãos muitas vezes se recusavam a participar de eventos culturalmente populares também (como teatro, literatura clássica, esportes) porque estavam muito ligados ao culto pagão.

Eles não adoravam o imperador e insistiam que seu “verdadeiro rei” era Jesus, aquele que o Império Romano havia crucificado. Para os romanos, isso costumava parecer ameaçador quando era lido um salmo do dia.

Leia Também:  7 remédios caseiros para o cansaço (100% naturais)

Um pastor preso

Este é o tipo de mundo em que Policarpo era pastor. A história continua:

Quando Germânico, um cristão idoso, foi levado a julgamento, foi-lhe dito que deveria levar em conta sua velhice e se retratar, em vez de se submeter à tortura e à morte. A isso ele respondeu que não tinha vontade de continuar vivendo em um mundo onde aconteciam as injustiças que ele acabara de ver.

E, para mostrar o quão profundo ele quis dizer suas palavras, ele chamou as feras para virem até ele e matá-lo. Esse ato de coragem despertou ainda mais a ira da turba, que começou a gritar: “Morte aos ateus!” (referindo-se àqueles que não tinham deuses visíveis) e “Tragam Policarpo!”

Quando o velho bispo soube que estava sendo procurado, seguiu o conselho de seu rebanho e se escondeu por vários dias. Mas depois de ter se mudado para outro esconderijo, e ainda ser descoberto, ele decidiu que sua prisão era a vontade de Deus, recusou-se a fugir mais, e calmamente esperou aqueles que vieram atrás dele.

“E ele foi recebido por Herodes, o capitão da polícia, e seu pai Nicetes, que também o levaram para sua carruagem e tentaram convencê-lo, sentando-se ao seu lado e dizendo:

‘Que mal há em dizer: César é o Senhor , e oferecendo incenso’, com mais a este efeito, ‘e salvando-te?’ Mas ele a princípio não lhes deu resposta. Quando, no entanto, eles persistiram, ele disse, ‘Eu não vou fazer o que vocês me aconselham.’

Leia Também:  Remédios caseiros para a dor de dentes

“Então eles, não conseguindo persuadi-lo, proferiram palavras ameaçadoras e o fizeram desmontar rapidamente, de modo que ele machucou a canela ao descer da carruagem.

E sem sequer se virar, seguiu seu caminho prontamente e com rapidez, como se nada lhe tivesse acontecido, sendo levado ao estádio; havendo tal tumulto no estádio que a voz de ninguém podia ser ouvida” (Policarpo 8:2–3).

Você consegue imaginar a cena? O vitríolo e a raiva na atmosfera à medida que o desejo das pessoas por sangue aumentava cada vez mais.

O pro cônsul que presidiu seu julgamento tentou persuadi-lo a adorar o imperador, instando-o a considerar sua idade avançada. Quando Policarpo recusou, o juiz ordenou que ele gritasse: “Fora com os ateus!” A isso Policarpo respondeu apontando para a multidão ao seu redor e dizendo: “Sim, fora com os ateus!”

Mais uma vez o juiz insistiu, prometendo que, se jurasse pelo imperador e amaldiçoasse a Cristo, estaria livre para ir. Mas Policarpo respondeu: “Por oito ou seis anos eu o servi, e ele não me fez mal. Como eu poderia amaldiçoar meu rei, que me salvou?”

O que aprendemos com a igreja primitiva?

Poucos que lerem isso enfrentarão esse tipo de perseguição. Teremos, porém, que navegar vivendo em um mundo cada vez mais complexo e dividido.

Aprender a navegar por essas águas merece outro post. Mas esta história faz a pergunta a todos nós: Seremos capazes de dizer no final de nossas vidas: “Por oito ou seis anos eu o servi, e ele não me fez mal. Como eu poderia amaldiçoar meu rei, que me salvou?”

Leia Também:  5 remédios caseiros para remover os grãos (100% Naturais)

Que possamos ser achados fiéis ao nosso Rei.

Grato pelos exemplos de fé.

Artigos relacionados

Petit gateau de chocolate – Faça você mesmo em casa

10 trabalhos diferentes em modelagem para explorar

Itens essenciais para o berçário perfeito

5 tarefas de limpeza de cozinha que todos somos culpados de negligenciar

Dicas para fazer uma mudança com baixo custo

Oração da Manhã

O melhor guia de organização para sua casa

Deus quer que todo cristão seja cheio do Espírito Santo

Como funcionam os backlinks? – Guia de SEO para iniciantes para backlinks

Cuidados dentários para cães

Remédios caseiros para a insônia (Dormir bem e rápido)

Remédios caseiros para clarear a pele (100% naturais)

Remédios caseiros para o bruxismo

Remédios caseiros para a dor de garganta

Remédios caseiros para a dor de dentes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *